Facebook

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Jyotish – A Astrologia Védica

Olá leitores da Ely! Meu nome é Guilherme e sou estudante de Astrologia Védica (Jyotish), fui convidado pela Ely à postar aqui no blog um artigo a respeito desse método astrológico popular na Índia e também divulgar o meu trabalho. Queria agradecer a Ely por me permitir isso, e espero que gostem e se interessem!

A Jyotish ou mais popularmente conhecida como Astrologia Védica, é a Astrologia advinda da Índia e que se baseia principalmente nas escrituras Parasara Muni.

Este foi um sábio de 3000 ou 5000 anos atrás, havendo controvérsias quanto á época em que viveu. Eu particularmente, acredito que 3000 anos é mais plausível.

Isso por si só já mostra que a Jyotish é um método muito antigo e devido ao rigor que a Índia mantém em relação a sua tradição isso acabou por conservar os conhecimentos do sábio Parasara que estão codificados em Sânscrito.

A Jyotish é a chamada Ciência da Luz e está incluída nos Vedas da Índia, as escrituras sagradas que são seguidas a milênios. Nela a Jyotish é tida como os olhos de Kalapurasha, sendo esse o corpo de Deus, do qual as diversas partes representam as demais ciências contidas nos Vedas. Mas o mais assustador no Jyotish é pensar que o mesmo Parasara havia recebido ensinamentos, não sendo ele o fundador da Jyotish, o que nos permite pensar que estes conhecimentos advém de uma fonte histórica que já não nos é mais conhecida.

A Jyotish tem uma amplitude tão grande que depende de muitos anos de estudo, pois é toda baseada em regras a serem seguidas. Essas lhe conferem complexidade e precisão de resultados que não pode ser igualada por nenhuma outra Astrologia, nem mesmo a Medieval que dispõem de ótimas técnicas de predição.

O método indiano envolve Ganita que são as matemáticas, essas permitem extrair dados precisos sobre a força dos planetas e o quanto esses podem inferir beneficamente ou maleficamente sobre os assuntos da vida de uma pessoa, assim como permite extrair da carta natal (Rasi) uma série de outras cartas chamadas Divisionais, ao todo se somam 300 cartas, sendo que 16 especialmente usadas pela escola de Parasara.

Uma delas tem importância especial, é a Navamsa, a carta divisional de número 9, que fala sobre o Dharma, casamento, divindades protetoras e guias como Ishta Devata e Dharma Devata, dentre outros assuntos que permitem um aconselhamento muito mais rico e preciso, se estendendo as questões espirituais e ao Dharma acumulado de outras vidas, visto que a Jyotish dá total credibilidade a isso por ser amplamente lingado ao Hinduísmo e a crença na reencarnação.

Dentre as técnicas referenciais da Jyotish se incluem o uso das Nakshatras que são 27 estrelas que vão dizer sobre aspectos mentais e são utilizados em conjunto com a Lua, o que gera um método de predição de períodos chamados Vimshottari Dasha no qual podemos observar todos os períodos da vida de uma pessoa se estendendo 120 anos além do seu nascimento, o que permite visualizar os períodos difíceis e auspiciosos da vida de uma pessoa, aconselhando-a e indicando as medidas corretivas a serem adotadas durante cada um destes para que tantos benefícios possam ser usufruídos quanto as dificuldades possam ser amenizadas, para isso se utilizam gemas, mantras e demais métodos inclusos no que chamamos de remédios astrológicos.

Portanto, durante os Dashas vemos as casas, planetas e signos que são ativados, tudo isso baseado num método de predição lunar, o que difere e muito dos métodos ocidentais de predição, visto a importância que é atribuída a Lua ao invés do Sol.

Além disso, as Nakshatras e a Lua também são decisivas nas sinastrias amorosas, onde numa sequência de quesitos a serem considerados pode-se dizer se uma união é possível entre ambas as pessoas e se estarão dispostos a abrir seus corações um ao outro.

Este método é tão complexo que avalia até mesmo a união sexual, onde dispõem de uma tabela adicional envolvendo diversos animais e sua sexualidade, o que permite analisar a compatibilidade entre estes.

Um exemplo é o Tigre e a Vaca, estes não podem se unir, visto que a Vaca é a presa do Tigre e isso será prejudicial na união sexual, podendo mostrar um excesso de libidinosidade por parte de um, o que vem a prejudicar o casamento.

Uniões entre pessoas que nasceram com ambas as Luas em Nakshatras Macho, por exemplo, também será prejudicial visto que mostrará uma excessiva necessidade de domínio da parte de ambos, desgastando o relacionamento com suas brigas por controle.

Enfim, muitas são as abordagens da Jyotish, se estendendo inclusive a questão espiritual, onde se pode predizer o caminho da alma, a deidade a ser reverenciada (sendo esta um aspecto de Deus como um todo), mantras para os períodos, problemas e até mesmo fortificar um aspecto.

Também existe a indicação de pedras preciosas (9 num total, sem divergências entre as escolas astrológicas tradicionais) para o fortificação, dias corretos adoração e reverência aos planetas que estão a ferir a pessoa ou então a beneficiando, etc.

São infindáveis as técnicas, portanto, caso alguém se interesse em saber mais a respeito, favor me procurar. Sou estudante de Astrologia, Ocultismo e Esoterismo desde meus dez anos de idade. E tenho me aprofundado nestes últimos quatro anos sendo que tenho vinte um anos, porém atendo me valendo das técnicas e do conhecimento aprendido com o estudo autodidata e aconselhado também por astrólogos mais experientes com quem tive aulas.

Para me contatar basta me adicionar ou enviar uma mensagem no Facebook, no meu email, ou então falando com a Ely.

Meus links:


OM TAT SAT

Guilherme Alves Pereira

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

O Signo de Escorpião

Me reservo o direito de aqui me aprofundar nesse signo. Primeiro porque nasci sob essa matriz energética e segundo porque considero esse signo fantástico.

E por que fantástico? Porque ele pode transitar na luz e na sombra tirando sempre um grande aprendizado que o leva a mais um degrau em sua evolução.

Mas infelizmente nem toda a pessoa nascida nesse signo, tem a consciência dessa capacidade ficando geralmente presa ao “escorpião cobra” que nada mais é do que o lado negro do signo; de onde surgiu o medo das pessoas em relação a eles, pois fazem a associação: escorpião = vingança.

O Escorpião tem como regente o planeta Plutão; senhor da morte e da transformação. A função deste planeta é matar tudo aquilo que já não nos serve mais para dar espaço ao nascimento do novo. Ele encerra um ciclo e, por conseguinte outro ciclo automaticamente já está iniciando.

Plutão não deixa nada escondido. Sua força é trazer das entranhas toda a sombra para que possamos trabalhar com elas e deixar a luz iluminá-la. Sem essa regeneração não há evolução.

A morte assusta a todos. É sempre um assunto tabu, mal conduzido, mal conversado. O que já de antemão nos mostra a imaturidade em que a humanidade ainda vive. Posto que a morte não existe. O que existe é apenas e tão somente a transformação.

É a lagarta que rompe o seu casulo e se transforma em uma linda borboleta. É a máxima na oração de São Francisco de Assis: “...e é morrendo que se vive para vida eterna”.

Então o que o homem teme? Ele teme abrir mão de coisas, pessoas, situações, status, características da personalidade etc. Ele teme se desapegar, romper os grilhões, avançar. O homem se agarra como a uma tábua de salvação a tudo aquilo que já não serve mais para ele na vida. Por isso, muitas pessoas andam amarguradas, melancólicas, depressivas. Elas vivem o que as aprisiona.

A força do Escorpião faz com que não sejamos subjugados por nada externo a nós. É a alma que vive seu próprio combate: percorre as sombras, vasculha os escombros, vagueia pelo escuro tateando, estudando, se olhando, se digladiando, se rastejando no lodo, encarando o seu carma.

Vive a intensidade da dor da angústia do desespero sozinha, sabendo que a recompensa será à volta. Finalmente ela para. Exausta de tanto lutar para ela própria abrir mão das coisas.

Dando lugar a uma serenidade, porque ela reconhece que há algo maior dentro dela que não é a sombra, que não é o ego. Mas sim o Eu superior. E como uma virgem sua alma, seu ego se entregam ao Eu Superior, ao Cristo interno, a Energia Matriz, a Deus. E surge a Fênix renascida.

Mãos poderão tentar ajudá-la a subir, mas nenhuma mão externa será capaz de arrancá-la do fundo do poço. Apenas a sua própria mão a fará emergir e quando isso acontece, saibam que mais um “fantasma” foi eliminado de seu entorno. Ela dominou sua própria natureza inferior. Ela está novamente unidade ao Cosmo. De mãos dadas com a Luz.

Uma das melhores explicações sobre essa energia, eu li de Trigueirinho: “De Escorpião emana a supremacia sobre a degradação material a capacidade de sobrepujá-la. Simbolicamente, isso pode ser sintetizado nas palavras: “eu subsisto ao tempo”. Esse núcleo cósmico desperta na consciência humana a possibilidade de conhecer a vida na matéria incólume à sensibilidade. Quando as forças construtoras e destruidoras que se movem no interior da matéria estão entregues de modo incondicional a propósitos superiores, ela ganha nova vibração, um pulsar que a eleva além dos planos onde o envelhecimento limita a expressão do espírito. Essa é a uma lição que o Escorpião transmite, preparando etapas futuras do desenvolvimento na Terra...

O que chamamos de fórmula para conhecermos o trabalho de Escorpião, é substituir a luta e os esforços pela aspiração. Isto é um fórmula química, um princípio de conhecimento dessa energia para podermos estar nela bem conscientemente trabalhando com ela. Nesta fórmula, além de ir substituindo esse nosso estado de luta pela aspiração, de forma tranqüila e constante, inclui também mantermos uma firmeza no propósito de encontrarmos na mente a decisão e a força para nos dominarmos. Ou seja, dominarmos a nós mesmos...

Não lutar, pois esta energia lida com nosso subconsciente onde estão arquivados, ou instalados, todas as forças que geramos, inclusive as negativas, desde o princípio quando fomos criados. Não há veículo que agüente o ataque somente pelo veículo que usamos no presente, mas por todas nossas vidas...

Quando se trata de deixar a energia desse signo passar, agir e consentir, através da nossa aspiração e da nossa tranqüila posição, começando a mexer no nosso subconsciente isso pode acontecer de forma muito harmoniosa...

Há uma inteligência nessas energias astrológicas que não podemos alcançar. Mas podemos estar completamente abertos para isso e podemos ser campo para estas coisas trabalharem em nós se tivermos a aspiração e a mente bem claramente disposta a controlar aquilo que é entregue a seu controle...

Subjuga tua natureza interior, oferta-te em plena consciência, Àquele que te concedeu a Vida e deixa-te mergulhar no centro dessa Fonte inesgotável...

‘A única barreira que poderá haver entre nós e o que nos parece irreal e distante é nossa negação de tal realidade’”.

A principal característica desse signo é a entrega incondicional. Capazes de serem amigos fiéis, mas sem se furtarem a ser aquele amigo que cutuca a ferida fazendo com que o "outro" acorde. Quando plenamente conectados a Luz, perdoam, amparam, compreendem, amam. Porque são capazes de conhecer toda fragilidade humana justamente porque descem ao fundo do poço quantas vezes forem necessárias para evoluírem.

Lembrem a mesma quantidade de sombra que um ser carrega tem o mesmo potencial de luz. E o contrário também é verdadeiro. A mesma quantidade de luz que um ser carrega tem o mesmo potencial de sombra. O Escorpião sabe disso e não se furta a caminhar na Luz e na sombra, sabendo exatamente o que tem de fazer nesses dois universos.

Meus queridos não se furtem a olhar a sombra, porque aquele que não conhece a sua sombra jamais poderá conhecer a sua luz.

Feliz jornada escorpionina a todos. Se transformem, purguem, façam uma reforma íntima, afinal até 22 de novembro estaremos na força do sol em Escorpião.
Ely da Costa Varella


sexta-feira, 21 de outubro de 2011

Os Significados dos Planetas na Astrologia

Oito são os planetas que compõe a avaliação do mapa astrológico. O Sol e a Lua são chamados de Luminárias. O nosso ego, a nossa individualidade, vem muito bem desenhado através do Sol, Lua, Mercúrio, Vênus, Marte, Ascendente e o Meio do céu.

O Sol representa o que de fato somos, é a vontade de expressar o nosso eu, de deixar a nossa marca nesse mundo. Esta luminária também representa a nossa fonte de energia, influenciando assim a nossa saúde. Sem o Sol nada existiria, por isso ser denominado de energia Yang - a luz do dia.

Em um sentido esotérico, o Sol representa o Poder, pois ele é a verdadeira manifestação do Logos. Sua posição, signo e aspectos no gráfico astrológico indicam as áreas onde necessitamos nos sentir úteis - onde será importante nos valorizarmos como pessoa. Bem aspectado em um horóscopo, simboliza recompensas, uma força positiva para vida atual. Já, quando este está mal aspectado, gera limitações, frustrações.

O Sol está relacionado ao impulso masculino, está associado ao pai e o que este representou em nossa vida para o impulso de nossa auto-expressão.

A Lua, essencialmente feminina, representa as nossas necessidades emocionais. Ela também está associada à memória, ao passado, à raça e à nação. O signo em que está posicionada aponta como reagimos instintivamente. Sua localização e aspectos indicam as atividades que nos permitem suprir nossas carências em busca de segurança, proteção contra os sofrimentos. Quando ela está mal aspectada, em um gráfico astrológico, indica o karma doméstico ou feminino. A Lua mostra a nossa necessidade de nutrir e sermos nutridos emocionalmente. Também representa o relacionamento com a mãe, a nossa primeira fonte de prazer emocional. Esotericamente a Lua demonstra um comportamento já conhecido por nós, representa o que fomos no passado.

Mercúrio rege a mente, o sistema nervoso, está relacionado com as atividades lógicas. Mercúrio é destituído de sensibilidade, de intuição. Sem este planeta, nós seríamos indivíduos puramente instintivos. Ele indica a forma como nos comunicamos (verbal, escrita) com os nossos semelhantes. Além disso é um instrumento que nos permite aferir se pensamos ou não de forma lógica e clara. Sua localização no mapa astral sugere onde podemos ter maior número de informações e trocas, quais os assuntos que influenciam em nosso pensamento. O signo em que estiver colocado indica a nossa maneira de pensar e de tomar decisões. Esotericamente Mercúrio é o responsável por nos fazer compreender a Lei de Causa e Efeito, já que ele representa a razão. Os bons aspectos que o envolvem demonstram uma mente clara, com maior facilidade de receber e passar os conhecimentos, aprender ou preencher nossos ideais. Já os maus aspectos, envolvendo Mercúrio, indicam o mau uso do intelecto e da razão em vidas passadas.

Vênus simboliza a necessidade que todos nós temos em nos relacionar, em estar junto de. Representa a expressão do afeto e do amor. Demonstra como queremos ser desejados, apreciados, e como expressamos as nossas emoções para um parceiro. Este planeta também está associado à beleza, harmonia, música, arte, ou seja, está relacionado aos prazeres materiais (comida, bebida, satisfação sensual). Está associado também à nossa atitude em relação ao valores materiais e sociais. Sua localização, signo e aspectos, nos mostra qual é a nossa atitude em relação ao mundo material e os nosso relacionamentos afetivos.
Os maus aspectos envolvendo este planeta indicam desilusões afetivas e a falta de percepção sobre a beleza da vida, dificultam o desenvolvimento estético e social.

Marte - o “senhor da Guerra” - representa a força de ação, a luta, a luta por nós mesmos (para que não nos deixemos intimidar). É a nossa maneira de causar impacto no mundo. No tema astrológico, a energia marciana pode ser transferida para o assunto que nós classifiquemos como mais importante: trabalho, posição social, família, dinheiro etc. Sob ameaça, é através da energia de Marte que iremos nos defender ou atacar. Sua posição no tema natal mostra onde agimos sem a necessidade de estímulos, pois há iniciativa e liderança. O signo em que estiver colocado mostra a forma de nós agirmos, sob a influencia de nossos desejos. Os maus aspectos associados a este planeta sinalizam a inibição, a fraqueza, o desperdício, ou abusos sexuais. Após esta seqüência de planetas pessoais, teremos a avaliação de Júpiter e Saturno. Estes têm como função nos incutir a noção da lei e da ordem universais. Eles são responsáveis pela fé e a auto-disciplina.

Através de Júpiter formamos a estrutura do certo e errado: a nossa ética, nossa moral. É a necessidade de darmos um sentido à vida, é a nossa filosofia de vida. Representa a nossa capacidade de dar. Por ser um planeta social, sua elevação só ocorre quando conseguimos dar algo de nós mesmos para os outros. Este planeta simboliza também o princípio da expansão no âmbito de nossas ações e de nossa experiências. È a vontade de fazer parte de algo maior, que está além de nossos horizontes. “Ultrapassar  os limites de hoje e ver o que existe para amanhã: a profecia. E vendo, poder fazer julgamentos”. Sua posição no tema natal mostra onde podemos nos tornar felizes, onde deve haver fartura, mas também exageros. Mostra onde pode haver otimismo de nossa parte. O signo em que ele se encontra demonstra como são expressadas as nossas crenças, nossos valores, nossa moral. Ainda sinaliza como partilhamos o que recebemos, a generosidade a cooperação.

O planeta Saturno é bem discutido com o cliente. Isto se deve ao fato de que a casa em que este planeta estiver localizado representa a área da vida em que teremos de estar atentos, pois aqui serão aprendidas as lições mais sérias, as responsabilidades serão maiores. Saturno é chamado por muitos de “Guardião do Umbral” ou Senhor do Karma, pois ele simboliza todo o “nosso mal passado, e perante ele tem que passar aquele que desejar entrar nos mundos internos conscientemente e alcançar um conhecimento completo de suas interdições”. Saturno representa no mapa o que eu chamo de “pedra no sapato”. Costumo dizer que a casa em que ele está localizado e seus aspectos é o mais doloroso para enfrentarmos, porque inicialmente há o sentimento de limitações, medo, constrangimento e a sensação de que nunca iremos relaxar neste setor. Porém o trabalho franco e perseverante para a sua total compreensão nos levará automaticamente à evolução espiritual. A dor que Saturno provoca é aquela que está intimamente ligada ao crescimento. É só através da dor e do sofrimento que o homem aprende. “As experiências frustrantes associados a Saturno são obviamente necessárias, uma vez que são educativas tanto num sentido prático como só conquistam o livre-arbítrio através do autoconhecimento e só procuram esse autoconhecimento quando as coisas se tornam tão dolorosas a ponto de não lhes permitir outra escolha. O que Saturno promove não é o prazer da dor, mais, antes, a alegria da libertação psicológica.” (“Saturno”- Liz Greene). Costumo comparar Saturno a um trem: nós temos a opção de ficarmos parados na estação, com a passagem na mão, aterrorizados com a viagem rumo a um lugar desconhecido. Preferindo assim uma vida pouco enriquecedora permanecendo no lugar de origem. O trem para na estação e nós não embarcamos. E tudo fica como era antes, nós continuaremos limitados. O contrário disso, se o trem pára na estação e de posse da passagem e com as malas prontas embarcamos ansiosos, rumo a um lugar cheio de esperanças, de aprendizado, de uma nova cultura, uma nova maneira de ver talvez uma mesma paisagem, e toda a nossa vida poderá ser modificada diante da nova perspectiva. Por isso vale a pena olharmos bem para Saturno, por mais doloridas que possam ser suas mensagens, o crescimento será inevitável. E o que hoje é dor amanhã será libertação, alegria. Como o budismo nos ensina: devemos nos  entregar plenamente ao sofrimento de forma plena, temos que deixar de existir para dar lugar apenas à dor. Deixando que a dor perdure até que se acabe, voltando, então, para nós mesmos. No instante de se render à dor está a libertação do Eu, e o Eu, segundo Gautama (Buda) é a raiz de toda dor. Os últimos três planetas nesta hierarquia são chamados de “planetas exteriores: Urano, Netuno e Plutão. Representam as energias mais difíceis de serem captadas e trabalhadas por nós mortais.

O planeta Urano tem por função desenvolver a capacidade de compreensão universal. Ele trabalha com as várias facetas da “verdade”. O seu posicionamento no horóscopo promove o desafio para superarmos nosso senso de vaidade pessoal e para darmos valor ao ponto de vista alheio. Desta forma derrubamos as barreiras que nos iSolam dos outros no nível mental, caminhando assim para o desenvolvimento do nosso total potencial intelectual.
Este planeta traz também como desafio podermos passar da independência e da revolta contra as limitações importantes, para uma posição mais flexível, onde a vida poderá ser vivida de várias formas.

O objetivo do planeta Netuno é nos ensinar a elevar as experiências da beleza e do amor a um nível que transcende as nossas vaidades pessoais. Netuno vem demonstrar que todo o amor em que se espera algo em troca estará fadado ao fracasso. Através deste planeta aprendemos a amar sem ser amado. Netuno nos mostra o amor universal - compaixão, compartilhar o sofrimento alheio, etc.
A posição deste planeta no horóscopo mostra o desafio de destruirmos as barreiras que nos isolam dos outros a nível sentimental.

O último planeta exterior é o Plutão. Este astro rege a nossa capacidade de abrir mão de nossa vontade egoísta em prol do benefício da humanidade. Plutão tem a ver com o espírito e não com a matéria. A posição dele no horóscopo faz com que tenhamos de lidar com fortes ligações e compulsões, que podem gerar medo e perda. Experimentaremos a mágoa e o ressentimento em reação às nossas derrotas e perdas.

Ely da Costa Varella

domingo, 2 de outubro de 2011

As Conjunções Planetárias junto ao Ascendente

Olhar para um aspecto formado com o nosso signo Ascendente é antes de tudo, observar como nós nos exprimimos no mundo exterior. Muitas vezes com facilidade e naturalidade como no caso dos chamados aspectos positivos: algumas conjunções, sextil e trigono. Ou então uma expressão carregada de tensão, inibição, ou uma forte ambição, como no caso dos aspectos negativos: quadratura e oposição.

O Ascendente mostra a área em que somos mais sensíveis e conscientes. Há uma corrente de astrólogos que dizem ser o Ascendente o ponto onde o espírito entra no corpo, no momento da primeira inspiração. Para Stephen Arroyo em suas experiências curativas, ele acreditava que a parte do corpo associada ao signo Ascendente indica a área em que estamos dinamicamente relacionados com os nossos corpos mais sutis ou com mais sutis campos de energia, e, por isso, onde se verifica um reforço de poderosas energias.

“O Ascendente revela mais o modo como sentimos a nossa singularidade, o ponto mais elevado da sintonia e da ação consciente e espontânea” (Stepnhen Arroyo - Astrologia, Karma e Transformação)

Sol conjunto Ascendente
Este aspecto irá nos falar da relação entre o comportamento exterior da pessoa e a sua personalidade real.  A conjunção irá facilitar o indivíduo a se mostrar tal como é. Aqui haverá uma necessidade de receber toda atenção e ser reconhecido transformando isso em uma meta. Muitas vezes um comportamento infantil para mostrar as capacidades através de exibições dramáticas. A pessoa pode ser forte e um tanto orgulhosa. O sol confere vitalidade a essa personalidade.

Lua conjunto Ascendente
A instabilidade lunar irá provocar aqui uma flutuação no humor da pessoa. Este aspecto tanto pode trazer adaptabilidade, equilíbrio para o nativo como pode no sentido negativo, gerar uma personalidade influenciável, emotiva, levando a pessoa a se deixar levar pelos outros. O público pode fazer parte da vida diária desse indivíduo. Aqui haverá popularidade.

Mercúrio conjunto Ascendente
Um ser racional. Orgulhoso de sua capacidade intelectual e de aprendizagem. Este planeta provoca no Ascendente um comportamento impregnado de vivacidade, de curiosidade. Difícil aqui o nativo ficar quieto. Um bom orador. Este indivíduo consegue se adaptar com facilidade nos ambientes. Sempre prestando atenção a tudo à sua volta. Porém quando negativo essa conjunção provoca nervosismo, inquietação onde a curiosidade, pode levar o nativo a situações difíceis. Aqui pode haver pessoas que possuem um espírito agudo e capaz de exprimir idéias com forte sentido dramático, embora suas opiniões possam ser o seu pior inimigo, como bem salientou  Stephen Arroyo.

Vênus conjunto Ascendente
Este aspecto imprimi charme, amabilidade, magnetismo e um certo desejo em agradar para ser aceita. Fácil aqui angariar a aprovação de todos que estão ao seu redor. Mas pode haver um certo interesse, pois não hesita em fazer concessões para atingir seus objetivos. Um tanto “mimada” pode ficar extremamente exigente e agressiva se não consegue o que quer (inabilidade nos contatos).

Marte conjunto Ascendente
Este planeta imprimi na personalidade uma pessoa empreendedora, enérgica com muita resistência física. Não consegue ficar parado. Luta por tudo que acha importante. São pessoas competitivas que não se furtam a um desafio. Pode ser um líder natural. No caso dessa conjunção ser negativa, provoca na personalidade um comportamento impaciente, agressivo dado a polêmicas, irritável. Pode ser autoritário, cruel com os outros.

Júpiter conjunto ao Ascendente
Neste caso a personalidade se impregna com generosidade, com um comportamento afável, nobre. Um indivíduo confiante em si mesmo que busca a expansão. Normalmente são pessoas muito francas, otimistas que esperam o melhor da vida. No caso deste aspecto estar negativo, pode gerar ao indivíduo um comportamento invasivo, pretensioso, exagerado. Pode também aqui desenvolver a obesidade.

Saturno conjunto ao Ascendente
Aqui se verifica quase sempre uma pessoa com forte sentido prático com capacidade de organização e que geralmente é mais amadurecido do que indica sua idade. Um comportamento racional, honesto e reservado aparentando frieza e distância. Uma pessoa que se mostra um trabalhador responsável conhecedora de seus deveres. Normalmente são pessoas que sentem carregar o peso do mundo em suas costas. No negativo, pode ser uma pessoa avarenta consigo mesma e com os outros. Sua ênfase será no dever, temperamento fatigável, difícil de agradar. Rigidez na vida.

Urano conjunto ao Ascendente
Aqui encontramos as pessoas espontâneas, originais, imprevisíveis. São pessoas que mudam subitamente de idéia. Podem ser excêntricos. A liberdade é importante. Espírito de contradição. O diferente é que atrai. Agitados, parecem ligados no 220 volts. No negativo serão teimosos não gostam de cooperar. Seu desejo é surpreender e chocar. Os rebeldes sem causa.

Netuno conjunto ao Ascendente
As pessoas que tem este aspecto possuem forte intuição. São compreensivos, receptivos, emotivos. Radares que captam o ambiente a sua volta. Gostam da privacidade. No negativo muitas vezes terão dificuldade de se conhecerem. Fingem algo que não são, dificultando os outros de os conhecerem na realidade. Comportamento confuso, escapista. Difícil a adaptação. Podem tender ao vício, principalmente da bebida.

Plutão conjunto ao Ascendente
Neste aspecto as pessoas são geralmente que sabem muito bem o que querem. Olham profundamente para os outros lhes revelando o que está oculto. Comportamento resolutamente independente, beirando a marginalidade, capacidade de recuperação física e moral. No negativo são manipuladores, podem se utilizar da fraqueza alheia para tirar vantagem. A pessoa não tem nenhuma consciência do efeito que produz sobre os outros, arrisca-se a prejudicar a si mesma. Podem ser desconfiados em postura sempre defensiva.

Ely da Costa Varella

sábado, 3 de setembro de 2011

O Conceito da "Verdade" e a Astrologia


Na simplicidade do conhecimento é que reside a real sabedoria. O funcionamento do Todo, do Universo, é simples e perfeito. Deus nos mostra isto todos os dias no movimento do sol, da lua, nas marés, nascimento das plantas, a cadeia dos animais, etc.

“O mal da humanidade de hoje não está em ser inteligente - o mal está em não ser ainda assaz inteligente para compreender que a constituição do Universo exige a integração do menor no maior, do inferior ao superior, do intelecto individual na Razão Universal” (Huberto Rohden, “Lúcifer e Logos”).

Quem poderá ter certeza de ter encontrado a Verdade, se não estiver predisposto a avaliar todas as possibilidades? O campo da informação é absurdamente vasto. Provavelmente infinito.

Poderíamos dizer, então, que o conceito sobre o que é a Verdade traz em si uma complexidade tal, que talvez seja absolutamente impossível “fechar questão” sobre o tema. Isto porque cada indivíduo, cada ser humano, assim como possui um “DNA” próprio, único, o conceito sobre a Verdade, em cada um de nós, nunca será o mesmo. Semelhante talvez; nunca exatamente igual.

A verdade passa necessariamente, muitas vezes, sobre outro conceito de que, ou o que é Certo ou Errado. Afinal, desde o princípio de sua existência o homem não está a procura do que, e o que, é Certo ou Errado?

Muitas mentiras foram ditas, escritas, transmitidas, em nome da Verdade. E muitas Verdades foram tomadas por mentiras.

O que é verdadeiro hoje pode, num instante seguinte, não o ser mais. O discurso sobre a Verdade seja ele semântico ou técnico (embora este por seu caráter científico, matemático, esteja mais próximo da verdade sobre algumas coisas), provavelmente nunca chegará à Verdade Absoluta. Sejam as informações constantes neste discurso “duras” ou “moles”, “exclusivas” ou “abundantes”, sempre haverá algo mais, vindo das mais variadas fontes de informação, que poderá ser agregado ao tema, que pode distorcer aquilo que eventualmente foi estabelecido como verdadeiro.

Para Santo Agostinho, “o verdadeiro é aquilo que é; logo, o verdadeiro é exatamente a mesma coisa que o ente”. Esta mesma afirmativa é compartilhada por Aristóteles: “a disposição de uma coisa no seu ser é como sua disposição na Verdade”. Neste caso, a verdade seria o próprio Ser.

Avicena: “A verdade de cada coisa é aquela propriedade de seu ser que foi estabelecida para ele”.

Isaac: “A verdade consiste na assemelhação da coisa com a inteligência”.

Anselmo: “A verdade consiste na retidão perceptível exclusivamente ao espírito”.

Hilário: “Verdadeiro, é o ente que se revela e se explica”.

Huberto Rohden: “A verdade, fala pelo silêncio do espírito, sem nenhum ruído mental nem verbal; a verdade, quando pensada já está adulterada e, quando falada, está duplamente falsificada. A verdade é só genuinamente verdadeiro quando conscientizada em total silêncio”. Esta definição já envolve este tema, Verdade, de uma aura lúdica e única.

No Evangelho encontramos a seguinte afirmação: “A verdade é segura de si mesma; convence e não persegue, porque não tem necessidade de fazê-lo”. Neste caso, a Verdade aqui é Deus. E, se Deus é a Verdade Absoluta, quem não crê em Deus, portanto, estaria longe da Verdade. Não seria assim?

Pois, se ainda Santo Agostinho diz: “A Verdade é maior do que a Inteligência Humana”, não se pode dizer que é menor. Com efeito, se a Inteligência fosse superior à Verdade, caber-lhe-ia julgar sobre a Verdade, o que é falso. A inteligência julga não sobre a verdade; e sim segundo a verdade, da mesma forma que ao juiz não compete julgar sobre a lei, mas segundo a lei, assim estamos então em um dilema ainda maior, sobre a Verdade se contrapondo à matéria e espírito.

Creio que “verdadeiramente”, matéria e espírito são essenciais para, pelo menos, se chegar próximo da verdade. Se todos nós Seres Humanos, constituídos de matéria e espírito e se vários pensadores, através dos tempos, têm vinculado a própria existência do Ser à Verdade, não podemos abdicar de nenhum destes dois elementos.

Poder-se-ia discorrer em milhares de páginas sobre a Verdade. Aqui, está apenas uma partícula ínfima do universo da questão.

Acredito na impossibilidade da compreensão humana sobre a Verdade, insisto, em seu conceito Absoluto. A Verdade é, por tudo aquilo que já vi, ouvi, li e discuti, absolutamente mutável. Passa pela própria “teoria da Relatividade” de Einstein. Ela é circunstancial. Apesar da total “subjetividade” de uma das afirmações de Santo Agostinho, a meu ver podemos dizer que “a Verdade é aquilo que é”.

A partir desta reflexão, pude aproveitar diferentes universos esotéricos, buscando compreender todas as Verdades inerentes a eles. Vários são os caminhos para o aprendizado espiritual e todos têm o seu fascínio e as suas armadilhas.

Feliz da geração que puder presenciar a união entre todas as religiões e filosofias. Afinal a religião não fala somente à inteligência ou à emoção, seu maior papel é estimular o desenvolvimento espiritual.

A religião apenas responde ao impulso interior que está presente em cada homem, empurrando a humanidade sempre para a frente. Isto ocorre porque no fundo do coração de cada ser está sempre a necessidade permanente de Deus. Negar a Deus é sobretudo negar a si mesmo.

Quando todos os homens, independentemente de suas crenças, se unirem para orar em prol da humanidade, orar por justiça, amor e compreensão, poderemos afirmar que finalmente o esforço de grande Mestre Jesus Cristo, terá valido a pena.

“O segredo para possuir a Verdade só está em meu Pai, e em verdade te digo que meu Pai sempre tem estado em teu coração. Temos apenas de olhar para dentro... Bem aventurado o que busca conquanto morra crendo que jamais encontrou. E ditoso o que à força de buscar encontra. Quando encontrar, perturbar-se-á. E havendo se perturbado, maravilhar-se-á e reinará sobre tudo” (J.J. Benitez,“Operação Cavalo de Tróia”).

A Astrologia não é de maneira alguma a única verdade. Mas sem dúvida é uma das mais belas lições que o Pai nos legou.

O Horóscopo nada mais é do que o estudo das influências astrais sobre nós, originando nossa forma física, mental e espiritual. Ele estabelece o que vulgarmente denominamos de Destino, permitindo-nos o seu conhecimento, podemos trabalhar com o determinismo que rege nossas vidas.

A avaliação de nosso mapa astral pode só nos beneficiar, jamais haverá prejuízo para o exercício de nossa vontade através da razão.

O estudo dos astros tampouco conflitua com qualquer fé religiosa, pois sua função é trazer-nos o autoconhecimento.

“Todos os prognósticos estão sujeitos a modificações dependentes de outros dados do Horóscopo. Nunca nos esqueçamos que a Vontade pode produzir grandes mudanças no caráter e que o homem ou a mulher, regenerando-se, aniquilam os presságios maus, assim como quem se entrega aos vícios impele a realização dos presságios bons” (Francisco Waldomiro Lorenz, “A Sorte Revelada pelo Horóscopo Cabalístico”).

Considero a Astrologia como um caminho para a “iniciação”, pois só quando passamos a nos conhecer profundamente e conhecer o universo que nos rodeia podemos ir em direção ao Divino.

O ideal seria que todos estudássemos Astrologia. Afinal, decifrar essa simbologia astrológica depende da evolução e intuição de cada um de nós. Porém, vivemos em um mundo à beira do caos cotidiano e, estando cheios de conflitos e interrogações, recorremos a alguém que nos traduza a linguagem dos astros.

Não devemos nos esquecer que nossa vida diz respeito a nós mesmos, e melhor seria a nossa própria análise de nosso carma. Renasceríamos conscientemente. Compreendendo a sua analogia com tudo que faz parte do universo, aprenderíamos de fato a respeitar não só as diferenças entre os homens, como também passaríamos a reverenciar a natureza, ao invés de destruí-la.

Assim o mundo seria só amor e paz, pois a Astrologia nos ensina a olhar os povos e a nós mesmos sob uma nova dimensão da realidade.

Ely da Costa Varella

terça-feira, 9 de agosto de 2011

O Dharma e a Astrologia


Na filosofia oriental o significado da palavra Dharma é dever. Trata-se dos deveres de todo ser humano, deveres diferentes para cada indivíduo, de acordo com o grau de nossa evolução.

Cada um de nós temos um dever enquanto estivermos encarnados. Resta saber se iremos conseguir cumpri-lo. Identificá-lo talvez seja uma tarefa árdua, visto que estamos à mercê do julgamento, da moral, do discernimento daqueles que nos criam, da sociedade etc.

Delicado é tratarmos da moral; afinal, ao contrário do que a maioria pensa, a moral não é uma só para todos. Ela irá variar segundo o dever de cada um.

É preciso termos a mente aberta para compreendermos que aquilo que é certo para um pode ser totalmente inadequado para outros. Aqui deveria estar fundamentado o princípio do respeito ao próximo. É na compreensão das diferenças, que reside o verdadeiro amor ao próximo.

Não há nada absoluto neste Universo. Tudo deve ser avaliado sempre levando-se em consideração os deveres de cada indivíduo. “Mais vale o próprio Dharma, ainda que desprovido de méritos, que o Dharma de outro perfeitamente cumprido. Mais vale a morte que sobrevem ao cumprir-se o próprio Dharma, pois o Dharma de outro está cheio de perigos” (“Dharma”- Annie Besant, citação do maior dos Mestres).

Se olharmos à nossa volta, claro está a importância de cada um assumir o seu papel.

Infelizmente é grande o número de pessoas que vivem nas sombras de outras. Vivem vidas que não as suas, por medo de se conhecerem, por se acharem pouco importantes, por medo de se rebelarem. Estas talvez não se dêem conta que não estão vivendo, apenas enfeitam este planeta, já bastante povoado, desperdiçando uma encarnação.

Uma árvore jamais será uma montanha, não cabe à água assumir o lugar da terra, e assim por diante. Do contrário a natureza não seria equilibrada, harmoniosa em seu funcionamento, o que aliás está se descaracterizando pela intervenção absurda do homem. Quanto mais houver desmatamentos, por exemplo, maior será o prejuízo para o nosso Planeta. Mas isso ocorre não porque as árvores estão querendo entrar em greve e não mais assumir o seu papel, mas pela intervenção direta e ilegal do homem, que destrói sem imaginar ou sem querer enxergar as reais conseqüências da sua atuação predadora.

Imagine então uma jovem que anseia por ser professora, pois ela sente amor em ensinar, em se dedicar as crianças. Mas seus pais, indignados com tal decisão, conseguem dissuadi-la desta idéia, e a convencem a abraçar uma outra carreira. Qual será o prejuízo? difícil dizer. Mas uma coisa é certa: esta jovem terá abafado todo o amor que poderia ter dedicado às crianças. Se esse era o seu dever, como passará o resto da vida sendo o que não deveria ser ?

Todo trabalho é importante, desde que esteja sendo executado pela pessoa certa. Quando nos permitimos fazer o que o nosso coração manda, quando seguimos o nosso instinto e abraçamos o nosso dever, não há como “pecarmos”. A realização será plena, o amor floresce, a paz se instala.

A nossa maior obrigação é aceitar as pessoas como elas são, afinal elas representam o resultado do seu próprio passado.

O Dever sugere que todos temos de “agir” - ação e inação – e como, onde, quando agir.

Quando aceitar, quando negar nossas atitudes. Somos conscientes de todas as atitudes - como um general que arquiteta cada avanço de seu exército em uma guerra, temos que ter o máximo de consciência da nossa potencialidade para avançarmos em nossa vida.

A Astrologia favorece o conhecimento das armas de que dispomos para enfrentar a nossa “guerra” pessoal - a vida.

O planeta que retrata o nosso dever no mapa astrológico é o Saturno - a casa em que ele está sugere profissões que automaticamente nos levam ao cumprimento de nosso dever. Muitas vezes não trabalhamos com as profissões que vem do Saturno por elas indicarem sempre um caminho mais árduo, que requer maior elaboração (dever). Mas a vida, de uma maneira ou de outra (trânsitos de Saturno), acaba fazendo com que desenvolvamos a nossa obrigação, seja de forma profissional, seja através de um hobby.

Saturno é o planeta que representa o limite entre o mundo invisível e o visível. A Casa Astrológica em que ele cai no Mapa de Nascimento traz o senso de responsabilidade. O entanto esse senso desenvolvido para si mesmo não funciona, pois temos uma limitação interna e uma facilidade externa. Por isso essa profissão indicada por Saturno, é aplicada em nosso mundo externo:

Saturno na casa 1
“Eu sou aquele que representa os outros”. Dou personalidade para os outros porque não tenho a menor idéia de quem eu sou. Quanto mais eu represento o outro, mais eu tenho consciência de quem eu sou. Nesta posição a lição é a valorização de si mesmo.
Possíveis profissões:
Ator. Representante comercial (vendedor dos melhores porque são sinceros). Vereador e deputado porque são representantes de uma classe social. Embaixador. Cônsul (facilidade de não se colocar pessoalmente). Comércio de franquias. Psicológo porque tem a capacidade de perceber a individualidade do outro. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 2
“Eu não faço idéia de quanto dinheiro eu tenho. Eu não sei o quanto de amor eu sinto”. Eu não sei dar valor as coisas, por isso eu sei cuidar dos bens do outros. Valorizando as posses alheias será mais fácil lidar com aquilo que me pertence. Nesta posição a lição é valorizar a matéria.
Possíveis profissões:
Manipulador de remédio. Diretor comercial (administra o bem dos outros). Gerente de Vendas. Economista. Qualquer área comercial e financeira. Administrador de fazenda. Área têxtil, costura, escultor, cozinheira porque todas essas “fazem com as mãos”, natural da casa dois que é ocupada pelo signo de Touro. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 3
“Eu não sei o quanto eu tenho de conhecimento. Eu não sei aprender”. Por isso eu sei ensinar, sei dar possibilidade a experiência do outro. Nesta posição a lição é pesquisar selecionar e ensinar.
Possíveis profissões:
Professor. Revisor de texto. Jornalista (vende informação, venda é assunto natural dessa casa). Comunicação (principalmente o que ensina para os outros). Pesquisador em todas as áreas. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 4
“Eu não percebo a minha família, por isso tenho muitos problemas em casa. Eu tenho minha imaginação muito restrita”. Mais eu percebo as origens dos outros; o desenvolvimento dos outros. Nesta posição a lição é educar, desenvolver e construir.
Possíveis profissões:
Arquiteto. Engenheiro Civil. Corretor de imóveis. Advogado de família. Educador mais na linha pedagógica. Proprietário de imobiliária. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 5
“Eu não sei me expressar, sou muito tímido, falta iniciativa e vontade. Não sei deixar minha marca no mundo. É difícil educar meu próprio filho”. Mais eu sei dar a expressão para os outros, sei educar o filho dos outros. Nesta posição a lição é criar, expressar, divertir e educar.
Possíveis profissões:
Gerente de produto porque sabe dar vida para as coisas, neste caso, sabe dar vida ao produto. Psicólogo. Professor de arte. Advogado tributarista. Publicidade. Marketing. Trabalhar com tudo que tem a ver com lazer e cultura: hotelaria, festas, teatro, turismo, restaurante. Palhaço, porque dá divertimento para o outro sendo ele mesmo triste. Professor de educação física, de dança, balete, natação, karate. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 6
“Eu não sei perceber o meu aprimoramento porque sempre estou insatisfeito com trabalho, sempre sou muito sério em relação a ele (o trabalho está ligado a aprimorar algo) e me descuido da saúde”. Mais sei organizar, ordenar e cuidar do outro. Nesta posição a lição é aperfeiçoar as coisas.
Possíveis profissões:
Médico. Enfermeiro. Profissional de saúde. Arquivista. Mecânico porque conserta o carro do outro, mas não sabe consertar o seu. Profissional de treinamento. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 7
“Eu não sei me relacionar. Difícil em me associar, eu tenho dificuldade em ver em uma relação”. Mais sou o melhor conselheiro sentimental que existe. Caso os outros. Nesta posição a lição é julgar pois aponta tudo o que é injusto.
Possíveis profissões:
Psicólogo. Crítico de arte. Agente matrimonial. Juíz de direito. Auditor. Avaliador em recursos humanos. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 8
“Eu tenho dificuldade para tomar decisões, minha vida é bem confusa. Não consigo administrar meu próprio tempo; sempre digo: não tenho tempo para nada”. Mais na verdade eu tenho o senso e o critério do tempo. Sei quando as coisas começam e que tem de terminar. Nesta posição a lição é transformar e administrar o tempo do outro.
Possíveis profissões:
Profissões que colocam tudo em ordem; organização. Saneamento básico. Hidelétrica. Dar rotina no trabalho. Engenheiro Eletrônico porque projeta algo no tempo. Escritor porque tem facilidade em contar uma história. Psicólogo que coloca a pessoa no tempo dela, no seu ciclo. Jornalista que também tem a noção dos ciclos do tempo. Cirurgião porque tem de ser frio. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 9
“Eu não consigo planejar nada para minha vida. Não acredito em nada, duvido da fé”. Mais sei dar direção para o outro. Sei dar a fé. Sei fazer com que o outro acredite em alguma coisa. Nesta posição a lição é planejar. Planejar é idealizar alguma coisa, pode dar certo ou não.
Possíveis profissões:
Marketing porque planeja estratégias. Antropologia. Comércio exterior. Publicitário. Fotógrafo porque fotografa a realidade para provar que existe. Cientista. Filósofo. Toda profissão que orienta os outros. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 10
“Eu tenho de ter função social do profissionalismo, vivo para o trabalho. Não consigo administrar minha própria empresa, tenho o sonho de “mandar” mais para isso tenho de aprender primeiro a obedecer”. Mais sei administrar a empresa alheia. Nesta posição a lição é realizar e dar estrutura para as coisas.
Possíveis profissões:
Administrador de empresa. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 11
“Eu não me sinto livre, não percebo minha independência. Me sinto fora do mundo”. Por isso dou a liberdade para os outros. Sou o líder verdadeiro. Nesta posição a lição é libertar.
Possíveis profissões:
Astrólogo. Matemático. Físico. Psicólogo. Tudo que envolve a lógica. Informática. Administrador porque reestrutura a rotina de trabalho. Músico. Geometria. Filosofia. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Saturno na casa 12
“Eu não vejo sentido na minha vida; não vejo sentido nas coisas. Me sinto totalmente fora do mundo”. Mais eu sei dar sentido a vida dos outros. Nesta posição a lição é orientar. A casa doze é muito abstrata; essencialmente não tem profissão, mais tem a possibilidade de orientar os outros. Ligada ao drama humano.
Possíveis profissões:
Profissões ligadas a espiritualidade: padres, freiras, monge budista. Psiquiatra, porque suporta a loucura do outro). Carcereiro. Filósofo. Artista. Médico. Psicólogo. Seguindo esta linha de raciocínio outras profissões se encaixam aqui.

Ely da Costa Varella

Fases da Lua

CURRENT MOON

Lua Fora de Curso

A Lua fora de Curso se dá quando ela transita por um signo e não faz mais nenhum aspecto (ângulo de zero, sessenta, noventa, cento e vinte e cento e oitenta graus) enquanto está naquele signo. É como se a Lua estivesse incomunicável. O fato de não fazer aspectos indica que aquele assunto não terá sustentação ou vai ocorrer de forma imprevisível.

Neste momento o bom é dar continuidade ao que já se conhece, que já está implantado. Você não vai perceber o efeito desta Lua em casa ou no trabalho fazendo suas atividades do dia-a-dia.

Sabe aquela meditação que nunca arranjamos tempo para fazer ou exercícios de relaxamento que na verdade nunca desligamos totalmente? E aquela massagem que sabemos que merecemos, mas nos falta tempo para nos permitir? Então, essa é a hora certa se praticar tais atividades introspectivas.

E o que não fazer no período desta Lua? Bem aqui vai uma pequena lista:

-Marcar vôos para viagens longas, se você tiver objetivos em outro país (sobretudo de longo prazo).

-Mudar-se de casa.

-Começar qualquer atividade que pretenda ter efeitos a longo prazo.

-Submeter-se a cirurgias.

-Realizar matrículas em cursos.

-Inaugurar empreendimentos (nada de estréia de peça de teatro, exposição, lançamento de livro, etc.)

-Marcar reuniões inaugurais importantes para este período.

-Ter o primeiro encontro para sair com alguém em quem você esteja interessado.

-Marcar consulta com um médico que você ainda não conhece

Tabela da Lua fora de curso para Outubro de 2016

Signo onde a Lua fora de curso está
Dia e horário de início da LFC
Dia e horário do final da LFC

  • 02h44 até 16h44 do dia 02, em Escorpião
  • 22h05 do dia 04 até 05h27 do dia 05, em Sagitário
  • 03h27 até 17h41 do dia 07, em Capricórnio
  • 13h52 do dia 09 até 03h34 do dia 10, em Aquário
  • 20h05 do dia 11 até 09h44 do dia 12, em Peixes
  • 04h14 até 12h09 do dia 14, em Áries
  • 02h24 até 13h05 do dia 16, em Touro
  • 12h47 do dia 17 até 12h31 do dia 18, em Gêmeos
  • 09h18 até 13h29 do dia 20, em Câncer
  • 17h15 até 17h35 do dia 22, em Leão
  • 10h22 do dia 24 até 01h17 do dia 25, em Virgem
  • 16h34 do dia 26 até 11h52 do dia 27, em Libra
  • 08h11 do dia 29 até 00h02 do dia 30, em Escorpião

Os horários correspondem ao horário de Brasília de 3 horas a menos em relação a Greenwich. Para outras localidades, é necessário somar ou subtrair horas, de acordo com o fuso horário.


"O horóscopo de nascimento só pode ser corretamente interpretado por homens e mulheres de sabedoria intuitiva; e destes há poucos" (Paramahansa Yogananda)

"Ainda que os planetas rejam os destinos terrestres, não deveria ser esquecido que Deus os controla. Entregando-nos a Ele, os efeitos planetários são suavizados e algumas vezes mudados. Quando a graça de Deus desce, os efeitos planetários são muito fracos" (primeiro filósofo da Índia: Satguru Keshavedas)



Os Aspectos

Os aspectos podem ser divididos em duas categorias: harmônicos e fluentes, ou dinâmicos e desafiadores, como bem os definiu Stephen Arroyo. Aqui apenas vou citar os principais:

Na primeira categoria, a dos aspectos harmônicos e fluentes estão algumas:

Conjunções
:

este aspecto tem uma distância de zero graus entre os planetas envolvidos. Sua influência positiva ou negativa, varia de acordo com os planetas envolvidos. É considerado o mais importante na astrologia, pois representa a junção de duas fortes energias.

O sêxtil:
a distância entre os planetas envolvidos é de sessenta graus. Considerado um aspecto fácil, pode nem sempre ser aproveitado pelo indivíduo. Ele é sempre uma saída para aliviar a tensão provocada por aspectos difíceis.

O trígono:
este mantém uma distância de cento e vinte graus entre os planetas envolvidos. É o mais fácil de todos os aspectos. Pode indicar um talento fácil de ser expressado. Porém ele pode provocar excessos que podem ser distorcidos devido à cooperação entre os planetas envolvidos.

Na segunda categoria, de aspectos dinâmicos e desafiadores, além de termos novamente algumas conjunções temos:


A quadratura:
este aspecto assinala noventa graus a distância entre os planetas. Este é o aspecto mais difícil, pois acaba trazendo sempre frustrações. Ele provoca tensão interior; são a duas facetas da personalidade em discórdia dentro do indivíduo.

A oposição:
este apresenta uma distância de cento e oitenta graus. Considerado um aspecto negativo, pois existe aqui a necessidade de se chegar ao meio-termo, de aliviar a tensão. Ele não cria uma grande frustração interior, mas quando conseguimos entender uma oposição podemos transformar esta energia em uma expressão mais positiva. Eu gosto de comparar a oposição a uma gangorra: podemos olhar os dois lados dela e desta forma eliminar o excesso do impulso, controlando as duas faces da personalidade.

Ely da Costa Varella