Facebook

sábado, 23 de julho de 2011

Karma e a Astrologia


Este conceito tem como berço o hinduismo e o budismo. Karma é a Causação Universal, é a lei que se fundamenta em “causa e efeito”.

“Pode-se dizer que ela forma a base de todas as leis especiais, de todas as causas e efeitos. É uma condição universal, ninguém dotado de corpo pode escapar a ela: iluminados, seres humanos, animais, vegetais, minerais, todos estão evoluindo dentro dessa lei universal. Enquanto cada qual estiver relacionado com a matéria, encarnado em matéria, estará sujeito à lei kármica” (“Um Estudo sobre o Karma” - Annie Besant).

É muito comum hoje em dia dizermos - Ah! isto é meu karma; Fulano é meu karma - o que eu posso fazer! - é mais fácil responsabilizar o tal do karma, assim como Deus, ou os anjos, por todos os nossos dissabores, sendo que não há ninguém ou nenhuma situação que possa ser contrário à real natureza da lei do karma.

“Não somos vítimas quando as coisas saem errado. Não temos sorte quando elas saem certas. Somos livres, agentes da escolha, almas que vivem um sistema metódico que nos permite uma ligação previsível entre as opções que fazemos e as experiências que delas resultam”. (“Reencarnação - Reinvindicando o seu Passado, Criando o seu Futuro”- Lynn Elwell Sparrow).

A lei do karma é taxativa, com ela todos nós temos a opção de escolher. Ela nos garante o controle total do nosso destino, mesmo que às vezes tenhamos a tendência de duvidar disso. Enquanto ficarmos presos aos desejos não satisfeitos, com certeza estaremos de volta a esta Terra para mais um período.

Cresci ouvindo esta máxima: “Não cai uma folha da árvore, que não seja pela vontade de Deus”. Assim é a nossa vida. Consciente ou inconscientemente nós giramos a roda do destino. Nosso Eu interior, nossa alma, ou espírito - não importa como você prefira chamar - sabe exatamente os passos necessários para a nossa evolução.

Vejo muitas pessoas se revoltarem com Deus - “eu rezei, eu implorei por determinada causa, mas Deus não me ouviu, como eu sou infeliz”. Fico até imaginando esta pessoa se chicoteando, como no rito do auto-flagelo. Mas basta  refletir: se somos responsáveis pelo nosso destino, se nossa vida está sob a mira da lei do karma, não adianta pedir a Deus, ou aos anjos, ou a qualquer outra entidade espiritual, que nos conceda aquilo que nós prontamente não nos permitimos obter antes de reencarnar.

Se a escolha foi por uma vida de privações financeiras para resgatar algumas falhas de outra vida, ou simplesmente por ser uma pessoa mais lutadora nesta, qual sentido teria os anjos cederem aos nossos clamores por dinheiro? Eles estariam impedindo o nosso almejado crescimento. Por isso, ao invés de praguejar contra eles, que tal agradecê-los e pedir a força física e espiritual necessárias para conseguirmos cumprir a nossa escolha?

Não foi Deus quem determinou que passaremos por isso ou aquilo, mas sim esta escolha foi feita unicamente por nós. Confiar em nós mesmos é o que está faltando para sermos mais felizes. Certamente você teve tempo suficiente para avaliar suas vidas anteriores antes de reencarnar nesta atual existência, identificar o ponto onde é necessário um aprendizado, e desta forma teve tempo suficiente para planejar toda uma vida, escolhendo as armas necessárias para sua evolução. Então como pode haver medo, insegurança em seu coração? Será que você é o seu maior inimigo? Quem voluntariamente se colocaria em uma situação insolúvel? Por que então é tão difícil confiar na vida ? Você jamais irá carregar um fardo maior do que aquele que possa suportar. Confie em si mesmo, e confie no Universo. Aprenda a absorver toda a energia que flui do Cosmo. Quando sentir as pernas fraquejarem, lembre-se de Jesus Cristo.

Para ser bem vivida a vida só cobra amor, fé, humildade diante de si mesmo e diante de Deus.

Esta lei não é uma imposição limitativa para que simplesmente o homem diga que não pode evitá-la, pois é o seu karma. Ao contrário, cabe ao homem modificar a sua natureza para que o seu amanhã possa ser diferente de seu hoje.

É preciso que compreendamos que o karma não é uma “força esmagadora, mas a manifestação de condições a partir das quais os resultados crescem” (“Um Estudo sobre o Karma”- Annie Besant).

Nosso crescimento espiritual se dará através do conhecimento e da vontade. Estas são condições básicas para a liberdade.

Para a Astrologia o mapa de nascimento como um todo representa o nosso karma. Aqui haverá o retrato fiel das nossas faltas, das nossas insatisfações e das motivações herdadas na estada das esferas anteriores ao encarne na Terra.

A Astrologia é um instrumento para que através do horóscopo fiquem claras as nossas dificuldades, apontadas pelos chamados aspectos negativos, que são relacionados ao karma a ser trabalhado nesta vida. Quanto aos aspectos positivos, constituem eles o karma já aprendido por nós em outras vidas e que nesta existência se transforma em força de luta. Se compararmos ao estudo de um curso superior, os aspectos negativos representados por determinadas configurações planetárias seriam as matérias não trabalhadas onde é transformada em “DP” para o ano seguinte, para que tenhamos chance de aprendermos a matéria. Os aspectos positivos são as matérias já brilhantemente encerradas no ano vigente.

A Astrologia apresenta os méritos e deméritos de uma vida. Na dança dos planetas há um que é considerado responsável pelo nosso karma, embora todo o Mapa seja kármico. Este planeta tem a nos descortinar todos os segredos do Universo. Sua função é fazer com que nos confrontemos conosco.

Saturno nos ensina a não ficarmos presos ao passado, nem tão pouco presos àquilo que poderíamos ter feito. Definitivamente nos ensina a construir uma estrutura para nossa vida hoje.

“Se trabalharmos com as leis da Natureza, podemos adiantar-nos rapidamente, e quanto mais seguimos os ditados da nossa consciência, e quanto mais estudarmos as leis da Natureza, tais como as revela a Astrologia, tanto mais rapidamente nos prepararemos para o conhecimento” (Max Heindel - rosacruciano norte-americano).
A vida sendo desvendada sob a ótica da lei do karma não pode alimentar o medo em nós. Esta lei é justa, dá a medida certa do bem e do mal para cada ser. Ela é puro amor. Jamais sofreremos além do merecimento e não gozamos de recompensas que não foram devidamente merecidas. “Esta Lei é justa, porque é a Lei, ou Método de Deus” (“A Doutrina do Karma”- Irmão Atisha).

Sempre seremos os únicos responsáveis por nós mesmos. Só nós podemos nos ferir, só nós podemos clarear a escuridão em que nos encontramos. Quanto maior for nosso entendimento sobre o karma, melhor suportaremos os desgostos e as dores.

Circunstâncias da vida só nos acontecem se estiver determinado em nosso karma para acontecer. Da mesma forma jamais ocorrem fatos que não estejam em nosso karma, porém não estamos presos a um destino cego, assim como outrora pudemos construir o nosso presente, agora o processo é o mesmo, podemos criar o nosso futuro, melhor e mais feliz do que este.

“Amor verdadeiro, solidariedade e compaixão para com o outros, ajuda-os a suportar suas cargas e encurtar a jornada para a Meta. Inversamente, os deprimidos e não-solidários afetam as condições de todos os que entram em contato com eles. Aqueles, por exemplo, que, não satisfeitos em suportar seus desgostos, acham que devem expor desnecessariamente suas mágoas a todos os que o rodeiam, também os tornam desencorajados. Ainda assim, é bom, de vez em quando, “chorar com os que choram”, porque a solidariedade acalma, e são muitos os que não podem suportar sozinhos os desgostos e precisam de toda a compaixão que pudermos ter” (“A Doutrina do Karma”- Irmão Atisha).

Assim sendo, o Astrólogo pode ser a força acolhedora que, desprovido de julgamento, pode confortar, levar a luz àquele que vem procurar pelo auto-conhecimento. A Astrologia, muito mais do que olhar o seu passado ou seu futuro, pode colocá-lo no “agora”. O hoje é o ontem de amanhã, e num mundo onde as mudanças se processam muito depressa, o karma do passado é fácil de ser visto em detrimento do karma do presente. Mas qual seria o sentido da vida se vivêssemos só no passado, ou só engajados no futuro que ainda está por vir? O mais lógico é podermos viver cada momento de nossas vidas aprendendo com os erros do passado a não alimentar outro futuro errante. “Ao projetarmos nossas energias em direção ao futuro ou ao passado, perdemos nosso senso de estarmos no presente”.

O “agora” pode ser um minuto, um dia, não importa a sua classificação para esta palavra, desde que você consiga viver na sintonia do momento que se está estabelecendo.

Martin Schulman exemplificou muito bem este estágio quando disse: “o agora pode ser visto pela atitude de um escritor quando está em harmonia consigo mesmo. A alegria que sente é durante a escrita, quando ele está realmente participando do processo criativo. A alegria do leitor vem mais tarde, quando, através da leitura, ele está participando do processo criativo. Quando numa outra data futura, leitores cumprimentarem o escritor por um trabalho bem feito, este tem pouco a dizer, pois não é parte de sua experiência do “agora”.

O futuro não existe, o tempo não existe, exceto aquele que conseguimos usar. Sofrer com traumas passados que não existem no presente, viver só planejando o futuro, nos distanciam cada vez mais de viver o agora. A vida deve ser vivida a cada momento. Assim será mais fácil, ao invés de complicá-la com problemas que não existem no presente, como faz a maioria das pessoas.

Se nós passarmos a viver cada momento de nossas vidas intensamente poderemos estar em sintonia conosco, nos conhecendo, nos descobrindo.
Neste momento eu estou escrevendo, e nada pode infiltrar em minha mente que não seja o prazer destas linhas. Só assim posso me dar conta do meu eu neste momento. Não seria assim, se ao escrever estivesse preocupada com traumas passados, ou preocupada com o que vou fazer no jantar. Seria neste contexto, a medrosa do ontem ou a cozinheira do futuro, menos a escritora do agora, que me enche de satisfação e me possibilita “ser”.

Ely da Costa Varella

Um comentário:

  1. Concordo, Ely Maria!...rs
    Consciência do momento presente é fundamental no entendimento do caminho, seja para poder olhar pra trás e aprender, seja para olhar pra frente e projetar!
    Bjs

    ResponderExcluir

Fases da Lua

CURRENT MOON

Lua Fora de Curso

A Lua fora de Curso se dá quando ela transita por um signo e não faz mais nenhum aspecto (ângulo de zero, sessenta, noventa, cento e vinte e cento e oitenta graus) enquanto está naquele signo. É como se a Lua estivesse incomunicável. O fato de não fazer aspectos indica que aquele assunto não terá sustentação ou vai ocorrer de forma imprevisível.

Neste momento o bom é dar continuidade ao que já se conhece, que já está implantado. Você não vai perceber o efeito desta Lua em casa ou no trabalho fazendo suas atividades do dia-a-dia.

Sabe aquela meditação que nunca arranjamos tempo para fazer ou exercícios de relaxamento que na verdade nunca desligamos totalmente? E aquela massagem que sabemos que merecemos, mas nos falta tempo para nos permitir? Então, essa é a hora certa se praticar tais atividades introspectivas.

E o que não fazer no período desta Lua? Bem aqui vai uma pequena lista:

-Marcar vôos para viagens longas, se você tiver objetivos em outro país (sobretudo de longo prazo).

-Mudar-se de casa.

-Começar qualquer atividade que pretenda ter efeitos a longo prazo.

-Submeter-se a cirurgias.

-Realizar matrículas em cursos.

-Inaugurar empreendimentos (nada de estréia de peça de teatro, exposição, lançamento de livro, etc.)

-Marcar reuniões inaugurais importantes para este período.

-Ter o primeiro encontro para sair com alguém em quem você esteja interessado.

-Marcar consulta com um médico que você ainda não conhece

Tabela da Lua fora de curso para Outubro de 2016

Signo onde a Lua fora de curso está
Dia e horário de início da LFC
Dia e horário do final da LFC

  • 02h44 até 16h44 do dia 02, em Escorpião
  • 22h05 do dia 04 até 05h27 do dia 05, em Sagitário
  • 03h27 até 17h41 do dia 07, em Capricórnio
  • 13h52 do dia 09 até 03h34 do dia 10, em Aquário
  • 20h05 do dia 11 até 09h44 do dia 12, em Peixes
  • 04h14 até 12h09 do dia 14, em Áries
  • 02h24 até 13h05 do dia 16, em Touro
  • 12h47 do dia 17 até 12h31 do dia 18, em Gêmeos
  • 09h18 até 13h29 do dia 20, em Câncer
  • 17h15 até 17h35 do dia 22, em Leão
  • 10h22 do dia 24 até 01h17 do dia 25, em Virgem
  • 16h34 do dia 26 até 11h52 do dia 27, em Libra
  • 08h11 do dia 29 até 00h02 do dia 30, em Escorpião

Os horários correspondem ao horário de Brasília de 3 horas a menos em relação a Greenwich. Para outras localidades, é necessário somar ou subtrair horas, de acordo com o fuso horário.


"O horóscopo de nascimento só pode ser corretamente interpretado por homens e mulheres de sabedoria intuitiva; e destes há poucos" (Paramahansa Yogananda)

"Ainda que os planetas rejam os destinos terrestres, não deveria ser esquecido que Deus os controla. Entregando-nos a Ele, os efeitos planetários são suavizados e algumas vezes mudados. Quando a graça de Deus desce, os efeitos planetários são muito fracos" (primeiro filósofo da Índia: Satguru Keshavedas)



Os Aspectos

Os aspectos podem ser divididos em duas categorias: harmônicos e fluentes, ou dinâmicos e desafiadores, como bem os definiu Stephen Arroyo. Aqui apenas vou citar os principais:

Na primeira categoria, a dos aspectos harmônicos e fluentes estão algumas:

Conjunções
:

este aspecto tem uma distância de zero graus entre os planetas envolvidos. Sua influência positiva ou negativa, varia de acordo com os planetas envolvidos. É considerado o mais importante na astrologia, pois representa a junção de duas fortes energias.

O sêxtil:
a distância entre os planetas envolvidos é de sessenta graus. Considerado um aspecto fácil, pode nem sempre ser aproveitado pelo indivíduo. Ele é sempre uma saída para aliviar a tensão provocada por aspectos difíceis.

O trígono:
este mantém uma distância de cento e vinte graus entre os planetas envolvidos. É o mais fácil de todos os aspectos. Pode indicar um talento fácil de ser expressado. Porém ele pode provocar excessos que podem ser distorcidos devido à cooperação entre os planetas envolvidos.

Na segunda categoria, de aspectos dinâmicos e desafiadores, além de termos novamente algumas conjunções temos:


A quadratura:
este aspecto assinala noventa graus a distância entre os planetas. Este é o aspecto mais difícil, pois acaba trazendo sempre frustrações. Ele provoca tensão interior; são a duas facetas da personalidade em discórdia dentro do indivíduo.

A oposição:
este apresenta uma distância de cento e oitenta graus. Considerado um aspecto negativo, pois existe aqui a necessidade de se chegar ao meio-termo, de aliviar a tensão. Ele não cria uma grande frustração interior, mas quando conseguimos entender uma oposição podemos transformar esta energia em uma expressão mais positiva. Eu gosto de comparar a oposição a uma gangorra: podemos olhar os dois lados dela e desta forma eliminar o excesso do impulso, controlando as duas faces da personalidade.

Ely da Costa Varella