Facebook

sexta-feira, 26 de julho de 2013

A Astrologia e as Vidas Passadas



Os livros são minha paixão. Estudar é para mim um hábito diário. Em pensar que ainda tenho tantos livros que gostaria de ler e que em uma só encarnação não dará tempo. Gosto de compartilhar com vocês os livros que podem servir de interesse por ter uma didática boa, o que para mim significa uma linguagem de fácil compreensão para leigos e estudiosos. Deste modo venho trazendo esse livro (Elaine Bernades: “Seu Signo e Suas Vidas Passadas") que preenche esse pontos. A leitura agradável onde quem lê com certeza encontrar algum ponto de identificação. Para despertar a curiosidade na leitura trago um trecho sobre como os signos tem haver com os nossos ciclos encarnatórios:

"Cada signo representa um estágio evolutivo da alma, as lições aprendidas no passado e os objetivos, talentos e conflitos que se trazem para a vida atual.



O carma é uma palavra de origem sânscrita, Karman, que significa “ação e reação”. Isso significa que todas as nossas ações têm uma reação, que se manifesta senão no presente, com certeza no futuro. Assim, o carma não possui forma definida (não é palpável) porque é na verdade uma lei física universal; a manifestação do carma é que é concreta, como podemos observar quando por exemplo, se cai por descuido e se quebra a perna.

Este acidente representa um carma pois tem-se uma causa e um efeito. A causa é o descuido e o efeito, a queda.



Portanto o carma da mesma forma que o tempo é um conceito abstrato, mas que possui manifestação concreta no mundo material. Além disso o carma é atemporal, no sentido de que ele pode se manifestar imediatamente ou nas próximas vidas.



Essa questão de quando o carma se manifesta é, portanto, a princípio indefinida. Vai depender não só de sua programação carmica, mas também de outras pessoas e às vezes até do carma nacional ou do carma da humanidade como um todo. Às vezes, basta um simples movimento, uma ação inconsequente e então se coloca em movimento a roda do carma em nossas vidas.


O carma não é um ajuste de contas, mas sim um elemento de evolução para o ser humano que ocorre através do equilíbrio de suas ações. Assim, quando há a conscientização de que todas as mazelas que passamos na vida não é um castigo divino, e sim o efeito, a manifestação daquilo que criamos para nós mesmos, estaremos dando os primeiros passos para mudar o nosso próprio carma.



Na astrologia carmica, há ciclos encarnatórios, que se manifestam através da vibração

dos 12 signos. Isso significa que para se completar toda a programação carmica é preciso passar pelos ensinamentos dos 12 signos.



Assim quando se completa um ciclo encarnatório pode-se iniciar outro ciclo em que a pessoa terá de passar novamente pelos 12 signos do zodíaco, só que sob uma nova perspectiva. Essa nova perspectiva pode ser representada por uma espiral, pois aquilo que se acumulou no passado é trazido para o presente e alavancado para o futuro.


Também é preciso explicar que os 12 signos não necessariamente correspondem a 12

vidas, porque a pessoa pode ter que nascer várias vezes sob um signo para absorver todo um ensinamento. Isto ocorre porque cada signo possui três decanatos e 12 duades (dwadasamas em sânscrito). Isso é um capricorniano do 1º decanato pode ser bem mais sério do que outro capricorniano do 2º decanato, que é regido por Vênus. Como se vê, é uma questão complexa, mas os ciclos encarnatórios realmente existem e sua duração, como devem ter percebido, pode chegar a centenas de vida. Diz a tradição budista, que o Buda só atingiu o estágio perfeito de evolução em sua milésima vida.



Desta forma, a pessoa que você é neste momento atual, ou seja: nessa vida, está registrada em seu mapa astral principalmente sob o signo em que você nasceu. É lógico que o signo e o seu ascendente mostrarão o seu estágio evolutivo e suas obrigações carmicas, não aquilo que você é no íntimo, pois para isso seria necessário uma leitura bastante aprofundada de seu mapa astral".



Ely da Costa Varella
Texto Extraído do Livro de Elaine Bernades: “Seu Signo e Suas Vidas Passadas – Um Estudo sobre carma e Símbolos Astrológicos” (disponível em pdf na internet)

Fases da Lua

CURRENT MOON

Lua Fora de Curso

A Lua fora de Curso se dá quando ela transita por um signo e não faz mais nenhum aspecto (ângulo de zero, sessenta, noventa, cento e vinte e cento e oitenta graus) enquanto está naquele signo. É como se a Lua estivesse incomunicável. O fato de não fazer aspectos indica que aquele assunto não terá sustentação ou vai ocorrer de forma imprevisível.

Neste momento o bom é dar continuidade ao que já se conhece, que já está implantado. Você não vai perceber o efeito desta Lua em casa ou no trabalho fazendo suas atividades do dia-a-dia.

Sabe aquela meditação que nunca arranjamos tempo para fazer ou exercícios de relaxamento que na verdade nunca desligamos totalmente? E aquela massagem que sabemos que merecemos, mas nos falta tempo para nos permitir? Então, essa é a hora certa se praticar tais atividades introspectivas.

E o que não fazer no período desta Lua? Bem aqui vai uma pequena lista:

-Marcar vôos para viagens longas, se você tiver objetivos em outro país (sobretudo de longo prazo).

-Mudar-se de casa.

-Começar qualquer atividade que pretenda ter efeitos a longo prazo.

-Submeter-se a cirurgias.

-Realizar matrículas em cursos.

-Inaugurar empreendimentos (nada de estréia de peça de teatro, exposição, lançamento de livro, etc.)

-Marcar reuniões inaugurais importantes para este período.

-Ter o primeiro encontro para sair com alguém em quem você esteja interessado.

-Marcar consulta com um médico que você ainda não conhece

Tabela da Lua fora de curso para Outubro de 2016

Signo onde a Lua fora de curso está
Dia e horário de início da LFC
Dia e horário do final da LFC

  • 02h44 até 16h44 do dia 02, em Escorpião
  • 22h05 do dia 04 até 05h27 do dia 05, em Sagitário
  • 03h27 até 17h41 do dia 07, em Capricórnio
  • 13h52 do dia 09 até 03h34 do dia 10, em Aquário
  • 20h05 do dia 11 até 09h44 do dia 12, em Peixes
  • 04h14 até 12h09 do dia 14, em Áries
  • 02h24 até 13h05 do dia 16, em Touro
  • 12h47 do dia 17 até 12h31 do dia 18, em Gêmeos
  • 09h18 até 13h29 do dia 20, em Câncer
  • 17h15 até 17h35 do dia 22, em Leão
  • 10h22 do dia 24 até 01h17 do dia 25, em Virgem
  • 16h34 do dia 26 até 11h52 do dia 27, em Libra
  • 08h11 do dia 29 até 00h02 do dia 30, em Escorpião

Os horários correspondem ao horário de Brasília de 3 horas a menos em relação a Greenwich. Para outras localidades, é necessário somar ou subtrair horas, de acordo com o fuso horário.


"O horóscopo de nascimento só pode ser corretamente interpretado por homens e mulheres de sabedoria intuitiva; e destes há poucos" (Paramahansa Yogananda)

"Ainda que os planetas rejam os destinos terrestres, não deveria ser esquecido que Deus os controla. Entregando-nos a Ele, os efeitos planetários são suavizados e algumas vezes mudados. Quando a graça de Deus desce, os efeitos planetários são muito fracos" (primeiro filósofo da Índia: Satguru Keshavedas)



Os Aspectos

Os aspectos podem ser divididos em duas categorias: harmônicos e fluentes, ou dinâmicos e desafiadores, como bem os definiu Stephen Arroyo. Aqui apenas vou citar os principais:

Na primeira categoria, a dos aspectos harmônicos e fluentes estão algumas:

Conjunções
:

este aspecto tem uma distância de zero graus entre os planetas envolvidos. Sua influência positiva ou negativa, varia de acordo com os planetas envolvidos. É considerado o mais importante na astrologia, pois representa a junção de duas fortes energias.

O sêxtil:
a distância entre os planetas envolvidos é de sessenta graus. Considerado um aspecto fácil, pode nem sempre ser aproveitado pelo indivíduo. Ele é sempre uma saída para aliviar a tensão provocada por aspectos difíceis.

O trígono:
este mantém uma distância de cento e vinte graus entre os planetas envolvidos. É o mais fácil de todos os aspectos. Pode indicar um talento fácil de ser expressado. Porém ele pode provocar excessos que podem ser distorcidos devido à cooperação entre os planetas envolvidos.

Na segunda categoria, de aspectos dinâmicos e desafiadores, além de termos novamente algumas conjunções temos:


A quadratura:
este aspecto assinala noventa graus a distância entre os planetas. Este é o aspecto mais difícil, pois acaba trazendo sempre frustrações. Ele provoca tensão interior; são a duas facetas da personalidade em discórdia dentro do indivíduo.

A oposição:
este apresenta uma distância de cento e oitenta graus. Considerado um aspecto negativo, pois existe aqui a necessidade de se chegar ao meio-termo, de aliviar a tensão. Ele não cria uma grande frustração interior, mas quando conseguimos entender uma oposição podemos transformar esta energia em uma expressão mais positiva. Eu gosto de comparar a oposição a uma gangorra: podemos olhar os dois lados dela e desta forma eliminar o excesso do impulso, controlando as duas faces da personalidade.

Ely da Costa Varella